Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
|
|
|

O Programa de Eficiência Energética (PEE) da Light
 

O que é eficiência energética?

Todas as atividades desenvolvidas em uma sociedade somente se tornam possíveis pelo emprego de uma ou mais formas de energia. Por isso, utilizá-las de modo racional é uma questão de cidadania. O conceito de eficiência energética engloba o conjunto de ações que buscam a conservação de recursos não renováveis, a otimização do uso de diferentes fontes de energia e o combate ao desperdício. Empresas e organizações que visam ao desenvolvimento sustentável direcionam suas práticas por estes princípios. 

 

​PEE Light

A eficiência energética é um princípio fundamental na Light. A empresa possui tradição na disseminação da cultura da eficiência energética e desenvolve ações relevantes para a formação de uma consciência coletiva sobre o tema. Um dos exemplos é o Comunidade Eficiente, projeto que estimula uma nova consciência de consumo visando ao uso racional de energia por meio de ações educativas e da troca de geladeiras e lâmpadas por outras mais eficientes. O projeto Light Recicla também é um destaque nesta área: a iniciativa dá bônus na conta de luz a partir da troca de material reciclável.

A Light investe, ainda, em ações de eficiência energética junto à organizações, como a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE), o Hospital de Força Aérea do Galeão, escolas públicas do Rio de Janeiro e a Justiça Federal. Por meio de intervenções estratégicas, como a modernização de instalações e a troca de equipamentos, a empresa vem contribuindo para a redução da demanda de ponta por energia elétrica e, consequentemente, do consumo deste insumo pelos setores de saneamento básico, saúde, educação e administração pública.
 
 
​Aspectos regulatórios

No Brasil, o setor de energia elétrica é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a partir das diretrizes do órgão e de leis federais. Sancionada no ano 2000, a lei nº. 9.991 dispõe sobre a realização de investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento e em Eficiência Energética por empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica. A legislação determina que essas empresas devam aplicar um percentual mínimo de sua Receita Operacional Líquida (ROL) em Programas de Eficiência Energética (PEE), seguindo os regulamentos da Aneel.

Com base na regulamentação vigente (REN n° 556 de 2 de julho de 2013), a Light SESA – concessionária pública de distribuição de energia do Grupo Light – destina 0,5% de sua ROL a projetos de eficiência energética – o que corresponde, em média, a R$ 30 milhões por ano.

Com a publicação da Resolução 556, as concessionárias ou permissionárias de distribuição de energia elétrica deverão realizar Chamada Pública para seleção de projetos, uma vez por ano, a partir de Julho de 2015. A concessionária ou permissionária deverá aplicar pelo menos 50% do investimento obrigatório, excluindo valores comprometidos com outras obrigações legais, em unidades consumidoras das duas classes de consumo com maior participação em seu mercado de energia elétrica. A apresentação de projetos de eficiência energética poderá ser feita por Empresas de Serviços de Conservação de Energia (ESCOs), fabricantes e consumidores.

 

​Estratégias para a Eficiência Energética

Para promover a eficiência energética em sua área de concessão, a Light tem as seguintes diretrizes: cumprimento das metas regulatórias associadas à Chamada Pública de Projetos, bem como à atuação em comunidades visando reduzir o consumo de energia dos clientes para adequação à capacidade de pagamento e redução da inadimplência nesse segmento. Adicionalmente, busca promover projetos nos segmentos do Poder e Serviço Públicos, especialmente, em instituições de caráter beneficente.
 
Além disso, se empenha em investir os recursos remanescentes em projetos inovadores, sejam eles educativos ou de novas tecnologias. Com isso, reforça sua característica de vanguarda, utilizando e promovendo, sempre que possível, novos procedimentos e novas tecnologias de eficiência energética.
 
Complementarmente, a Light busca contribuir, de forma sustentável, com o desenvolvimento de comunidades, investindo em projetos de capacitação, geração de renda e na substituição de equipamentos ineficientes e, por último, na disseminação do uso racional de energia para seus clientes. 
 

 

Nossa trajetória
 

Desde o início da obrigatoriedade de aplicação em projetos de eficiência energética, em 1998, o PEE da Light executou 181 projetos, que somam um investimento de R$ 469,07 milhões. A economia de energia decorrente dessas iniciativas é de 799 GWh – o que equivale, aproximadamente, a 3,0% do consumo do mercado total da Light SESA em 2016 (25.849 GWh).


A economia de energia acumulada até 2016 corresponde ao consumo médio de aproximadamente 390 mil residências durante o período de um ano, o que equivale ao consumo residencial de uma cidade de 1,1 milhão de habitantes, como Duque de Caxias e Barra Mansa juntas.


As ações executadas incluem desde a alteração de processos produtivos, passando pela substituição de equipamentos por equivalentes mais eficientes, nos sistemas de iluminação, climatização, refrigeração, aquecimento de água, geração de energia por fontes incentivadas, até ações educativas e de cunho social, como a contratação de pessoas das próprias comunidades de baixo poder aquisitivo para a execução das atividades previstas nos projetos.
No quadro a seguir, verifica-se que nos anos de 2014 a 2016 o investimento da Light ficou em R$ 108,35 milhões. Constata-se também que a economia de energia obtida nesse mesmo período foi de 119,47 GWh.

 

Distribuição do Investimento por Tipo de Projeto (%)
Investimento Total
Economia de Energia
Ano
Baixa Renda
Serviço Público
Residencial
Poder Público
Comercial
Educação
Outros
(R$ mil)
(GWh/ano)
2014
62,60
0,01
23,95
2,82
0,02
9,64
0,97
38.677
-
2015
74,03
0,00
8,58
10,66
0,07
3,85
2,81
52.860
45,92
2016
56,78
0,00
2,32
 19,80
0,65
14,96
5,49
16.813 
73,55

   

No ano de 2016, o investimento da Light foi de R$ 16,8 milhões em 19 projetos e, com a Lei 13.280/16, não foi mais necessário um investimento mínimo no segmento de baixo poder aquisitivo. Mesmo assim, a Light investiu 56,78% de seus recursos em 2016 neste segmento.  A classe residencial teve sua parcela de investimento reduzida para 2,32%, tendo em vista que a Lei 13.203/15 passou a incorporar os clientes que não possuíam NIS, mas se localizavam nas comunidades, como clientes do segmento de baixo poder aquisitivo.  O segmento de maior investimento, depois do Baixa Renda, foi o do Poder Público que subiu para 19,80%. Em terceiro lugar ficou o educacional que consumiu 14,96% dos recursos, quase quatro vezes o valor do ano anterior. O segmento Comercial e Serviços, embora seja um dos maiores mercados da Light ficou com apenas 0,65% dos recursos, tendo em vista que o grande número de projetos aprovados na 2ª CPP só serão iniciados em 2017.


O gráfico abaixo apresenta a participação dos investimentos por tipo de projeto em 2016.

                       

Investimentos PEE 2015.jpg
 
Projetos concluídos do PEE em 2016 nos segmentos Educação, Poder Público, Residencial e Comércio & Serviços. 

Educação


Na área de educação, foi finalizado o projeto Museu da Energia II, que teve como finalidade integrar e ampliar as atividades do Museu da Energia e do Light nas Escolas de modo a tornar mais consistentes os resultados obtidos nos processos de aprendizagem e mudança de hábitos referente ao uso eficiente da energia.

Para isso, dentre outras atividades, foi ampliada a metodologia do Procel nas Escolas com a inclusão de novas metodologias, como a Energia que Transforma, desenvolvida pela Fundação Roberto Marinho, e a incorporação de um novo circuito ao Museu da Energia, o Centro de Demonstração em Eficiência Energética e Smart Grid.
Com um investimento de R$ 2,99 Milhões, o projeto permitiu a visitação ao Museu por 40.879 visitantes e a capacitação pelo Light nas Escolas de 212 Escolas, 423 professores e 62 mil alunos.


Poder Público


No segmento do Poder Público foram finalizados três projetos: o projeto Fiocruz – Farmanguinhos, o Observatório Nacional e o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.


O projeto FIOCRUZ - Farmanguinhos contemplou as instalações da FIOCRUZ, localizadas à Avenida Comandante Guaranys, n° 477, Jacarepaguá, no município do Rio de Janeiro - RJ. O projeto teve por objetivo a modernização e eficientização dos sistemas de climatização, através da reforma da central de água gelada (CAG), da instalação de um tanque de termoacumulação de água gelada com capacidade de 1.600 TRh e da automatização do sistema de climatização, que irá supervisionar os resfriadores em operação e temperaturas de entrada e saída do fluido intermediário.


O investimento do PEE no referido projeto foi de R$ 3,12 milhões, o que proporcionou uma economia de 2.704,80 MWh/ano e uma redução da demanda na ponta de 473,80 kW, Essa economia equivale, se for considerado um mesmo perfil de uso da energia, a uma redução anual da conta de aproximadamente R$ 1,1 milhões.

O projeto do Observatório Nacional, localizado à Rua General Argolo, nº 90, São Cristóvão, no município do Rio de Janeiro, teve por finalidade a implantação de ações de modernização dos sistemas de iluminação com a substituição das lâmpadas existentes por lâmpadas LED. O investimento realizado no projeto foi de R$ 188,80 Mil e os resultados obtidos foram de 76,13 MWh/ano para a economia de energia e 28,37 kW para a redução da demanda na ponta.

O projeto do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, localizado à Av. Erasmo Braga, n° 115, Centro, no município do Rio de Janeiro, teve por finalidade a implantação de ações de modernização e eficientização do sistema de climatização. O investimento realizado no projeto foi de R$ 4,46 milhões e os resultados obtidos foram de 1.680,73 MWh/ano para a economia de energia e 1.327,84 kW para a redução da demanda na ponta. Essa economia equivale, se for considerado um mesmo perfil de uso da energia, a uma redução anual da conta de aproximadamente R$ 1,2 milhões.
 

Residencial

 

No segmento Residencial foram finalizados os projetos Doação de Refrigeradores e Lâmpadas em Xerém e Residencial I e II.


O projeto de Doação de Refrigeradores em Xerém, teve por objetivo tão somente a doação de equipamentos eficientes, em caráter extraordinário, para clientes atingidos por fortes enchentes no município de Duque de Caxias. O valor investido pelo PEE da Light foi de R$ 189,92 mil e beneficiou 246 domicílios.
 
Os projetos Residencial I e II tiveram por finalidade a troca de 1.288.000 lâmpadas e 2.000 geladeiras em municípios da área de concessão da Light. O investimento realizado nos dois projetos foi de R$ 12,50 Milhões e os resultados obtidos foram de 69.020,44 MWh/ano para a economia de energia e 18.682,01 kW para a redução da demanda na ponta.
  
 
Comercial & Serviços

  
No segmento Comercial & Serviços foram finalizados dois projetos:  Associação de Apoio à Criança com Neoplasia – RJ - Casa Ronald McDonald e Onda Verde.


O projeto da Casa Ronald McDonald, localizada à Rua Pedro Guedes, números 29 e 44, Maracanã, no município do Rio de Janeiro, teve por finalidade a modernização e eficientização dos sistemas de iluminação, ar condicionado e motores. O investimento realizado no projeto foi de R$ 93,80 Mil e os resultados obtidos foram de 51,31 MWh/ano para a economia de energia e 19,33 kW para a redução da demanda na ponta.


Para o Projeto Onda Verde - Centro de Ecologia e Educação para Economia Criativa, localizado na Rua Nossa Sra. da Conceição, n° 6, Tinguá, no município de Nova Iguaçu, foi feita a instalação de um sistema  de energia solar fotovoltaico com backup integrado por bateria,  implantado um sistema de energia eólica, além de um  sistema de aquecimento solar e outro sistema de iluminação LED, tornando o imóvel uma referência de espaço sustentável e contribuindo para que o  mesmo possa requerer a certificação LEED na categoria platina e se tornar a primeira edificação a obter esse selo no Brasil. O investimento realizado no projeto foi de R$ 52,10 Mil e os resultados previstos são de 19,75 MWh/ano para a economia de energia e 4,82 kW para a redução da demanda na ponta.

 
Critérios para projetos de Eficiência Energética
 

A Light prioriza projetos de eficiência energética de acordo com os seguintes critérios:

  • Contribuir para o aumento da eficiência energética;
  • Atender aos interesses dos seus clientes, com a introdução de tecnologias mais eficientes que promovam a redução de consumo e, portanto, de custos;
  • Ser de fácil replicação;
  • Contribuir para a redução das despesas do Poder e Serviços Públicos, aumentando, com isso, a capacidade de pagamento desses segmentos;
  • Atuar na redução de perdas comerciais, no combate à informalidade e na redução da inadimplência.
  
Para mais informações sobre eficiência energética, entre em contato conosco pelo e-mail eficiencia@light.com.br.